Área Principal

Compartilhe:
A-
A
A+

Tendências tecnológicas

17/03/2014
Aconteceu muita coisa interessante no universo tecnológico em 2013, e há várias promessas interessantes para 2014. Pensando nisso, a agência de estratégia e design gringa frog fez seus "chutes" sobre as tendências tecnológicas para este ano:

Anonimato vai virar moda

O tempo do compartilhamento indiscriminado de informações nas redes sociais está mudando. Em 2013 tivemos o vazamento de informações da NSA e um debate massivo sobre o direito à privacidade e nossas vidas digitais. Em 2014, surgem novas redes baseadas em transmitir comunicações digitais com o mínimo de rastros.

Drones por toda a parte

Máquinas voadoras autônomas não são exatamente uma novidade, mas estão se tornando mais comuns que antes. Em breve, pequenos drones estarão por todo o céu. A Amazon americana já estuda o uso de drones autônomos para fazer suas entregas em regiões metropolitanas. As implicações são enormes, tanto para a tecnologia dos drones quanto para os ecossistemas em volta.

Desconectando-se do mundo digital

Você irá entrar em uma biblioteca ou cinema e seu celular será desconectado. Zonas estratégicas, seja em casa ou em ambientes públicos, permitirão que você esteja "além do alcance" do mundo lá fora. Isso tudo para que você possa aproveitar o momento e relaxar um pouco da correria do mundo digital.  Resorts e férias ao ar livre também estão em alta.

Os gigantes chineses da internet se levantam

Em 2014 o mundo descobrirá o WeChat. Com sua base de 300 milhões de clientes e ferramentas como chat em grupo, mensagens instantâneas , compartilhamento de conteúdo, pagamentos e e-commerce, o WeChat evoluiu de uma aplicação de mensagens para um plataforma móvel altamente integrada. O serviço promete acabar com o lugar-comum e dar uma sacudida nos gigantes como o Facebook.

Controle com a mente

Já existem vários projetos para controlarmos objetos e computadores com a mente. Equipamentos como o Epoc e o Melon já conseguem medir o quanto nossa mente está focada e receber comandos básicos, como direita ou esquerda, para cima ou para baixo. Os avanços devem crescer conforme mais empresas se aventuram a captar sinais elétricos de nossos cérebros.

Humanidade Aumentada

A tecnologia sempre nos ajudou a resolver problemas e a estender o nosso potencial. Mas, até agora, as ferramentas tecnológicas eram aparelhos externos, completamente separados do nosso corpo. Agora esses aparelhos começam a integrar-se com a nossa fisiologia: estamos "hackeando" o corpo humano e seus sentidos. As chamadas tecnologias "vestíveis" (wearable technology), como o Google Glass, são um exemplo da primeira geração de produtos que irão mudar a nossa maneira de interagir com a tecnologia. Mas isso é só o começo: exoesqueletos e membros robóticos são a próxima fase.

Carros autônomos

Carros que se dirigem e estacionam sozinhos são um sonho há muito tempo. Com os recentes investimentos do Google na área, e com uma possível parceria entre a Apple e a Tesla (fabricante de carros elétricos) sendo negociada, 2014 deve trazer importantes avanços nessa área. Grandes empresas automobilísticas já estão lançando carros que estacionam sozinhos, e o carro do Google já rodou mais de 200 mil quilômetros sem causar acidentes.

A internet das coisas

Tudo a nossa volta está ficando mais inteligente. Pequenos objetos do dia a dia já estão conectados entre si e com a Internet. Agora, essa tendência vai além dos usos práticos e entra no campo artístico, com o intuito de aumentar a experiência do público e agregar valor ao entretenimento.

O valor dos dados dos produtos

Conforme os produtos se tornam mais inteligentes e se comunicam uns com os outros, os dados sobre seu uso e compatibilidade se tornam uma fonte inestimável de informações para seus fabricantes, que podem usá-los para melhorar seus produtos e aumentarem suas vendas.

A reinterpretação do artesanato

O avanço das impressoras 3D, novos métodos de fabricação e materiais avançados está nos fazendo repensar os objetos produzidos em massa. Essas novas técnicas facilitam a customização de produtos e novas formas de distribuição. Já se discute até mesmo como combater a pirataria de produtos físicos, que poderão ser baixados na internet e "impressos" numa impressora 3D.

Repensando o preço das coisas

Ninguém apostaria que o consumidor comum toparia pagar US$ 100 por um fone de ouvido, mas então apareceu a Beats by Dre provando que, na verdade, as pessoas estão mais do que dispostas a gastar quando há uma contrapartida em termos de design e experiência de uso. Outro bom exemplo é a Apple, que faz produtos convencionais se tornarem quase objetos de arte, e aumentando o preço de acordo. As empresas estão se acostumando ao fato que seus consumidores estão dispostos a pagar caro por produtos com design inovador, ou que tragam experiências únicas.

Entrega instantânea

Uma startup de São Francisco chamada Uber está revolucionando o sistema de entrega de compras. Clique para pedir, e em minutos você estará com seu pedido em mãos, deixando em segundo plano a burocracia que envolve confirmações de pagamento. Em 2014 veremos esse modelo "sob-demanda" se estender a outros serviços. Tudo isso com a ajuda dos aplicativos móveis, que rastreiam o usuário e o prestador de serviços, facilitando a logística.

Tomando o controle dos dados

Com as grandes companhias como Google, Facebook e Twitter ganhando milhões ao analisar e processar dados de usuários, surge um movimento contrário, fundamentado em devolver ao usuário o controle sobre seus dados, e até possibilitar que ele ganhe dinheiro com isso.

Controlando o seu tempo

Quem está acostumado a cronometrar o tempo de corridas ou de sono terá de se acostumar também à quantificação do trabalho. Como, quando e onde você gasta seu tempo de serviço serão itens listados em planilhas e softwares de gerenciamento. São esperados debates sobre o direito à privacidade e o uso de tecnologia para coerção dos funcionários.

Reinvenção do PC como ferramenta de produtividade

Embora o maior volume de investimentos seja no mercado de dispositivos móveis, e várias empresas tradicionais da área de computação estejam migrando para este mercado, smartphones e tablets ainda não conseguem substituir a produtividade alcançada por um PC quando o assunto é trabalho. Um interesse revigorado nessa área é esperado para 2014.

E você, qual a sua expectativa para 2014?

 

Comentários:




Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito. – Aristóteles
Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito. – Aristóteles